sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Valesca Bovary ou Madame Popozuda

Valesca Popozuda apreciando uma boa crítica à sociedade burguesa
Eu nem mesmo acredito, mas vou dedicar mais um post à cantora Valesca Popozuda... Eu já tinha escrito um texto sobre ela e aquela bobagem dela ser ou não ser uma pensadora contemporânea (leia o texto aqui).
Essa semana foi propagandeada a informação que Valesca estaria rodando um videoclipe baseado em Madame Bovary, clássico da literatura universal de Gustave Flaubert.
Fiz o que não devia e fui ler os comentários dos sites e portais onde a notícia fora vinculada. Como sempre, um verdadeiro atoleiro de impropérios preconceituosos dos mais diversos tipos. Tinha de tudo, por causa dela ser funkeira, ser da favela, ser “iletrada”, ofender a dignidade de uma obra imortal. E por ai vai... Sempre que leio esses comentários tenho vontade de fazer como Édipo na caverna e vazar os olhos com uma faca.

Pergunto: qual o problema dela se basear em um livro para fazer um videoclipe? Como isso é denegrir a história de uma obra literária? Outros gêneros musicais, inclusive mais intelectualizados, não estão repletos de ações idênticas? Qual o problema do funk e dela, especificamente?
Além do ódio puro simples, acredito que há fator de que as elites, e não digo apenas as elites econômicas, mas as culturais e intelectuais, sempre criam barreiras para separarem-se da população e quando essa população consegue ultrapassar tais barreiras, as elites acabam reinventando novas barreiras e paradigmas. Um bom exemplo desse fenômeno é a moda, como explica o filósofo francês Gilles Lipovetsky em seu O Império do Efêmero.

Eu nunca consegui entender essa diferença entre cultura popular e erudita/acadêmica. Eu, por exemplo, detestei Madame Bovary, achei chato e maçante, porém adorei O Código da Vinci. Isso me torna menos “cultivado”? Acredito que não. A Popuzada aqui, mais uma vez, nos mostra o como essa barreira é ligeiramente, ou redondamente, idiota. Se apenas um de seus fãs e admiradores se interessarem a ler Madame Bovary por conta desse videoclipe ela já vai ter feito muito mais do que muito intelectual por ai...